Blah-Blah com Tassiane Oliveira - Cabelo tipo 4A/4B

10:30

"Desapego: s. m. 1. Facilidade em deixar aquilo a que se tinha apego." Essa é a filosofia da nossa próxima entrevistada. Ela é daquelas que para se sentir bem consigo mesma investiga, pesquisa e corre atrás de seus objetivos. Pois bem, imagine estar insatisfeita com altos e baixos capilares, procurar químicas inovadoras e de repente perceber que o tempo todo a resposta estava em você mesma?Ler esse Blah-Blah me remete à satisfação que é verdadeiramente se encontrar como crespa natural! Com vocês, um pouquinho da história da Tassi Oliveira, uma mulher guerreira que tem muito a compartilhar conosco.  

1.Conte um pouco sobre você e como é a aceitação onde mora.
Eu moro na cidade mais linda do Brasil, Angra dos Reis! (Aqui temos uma ilha para cada dia do ano). Sou técnica de enfermagem e cuido somente de um paciente, uma criança linda e apaixonante.Trabalho como plantonista e por conta dos horários eu acabei trancando a faculdade de Design (tudo a ver né? rsrs),mas pretendo voltar ano que vem.Por aqui a aceitação é tranquila desde que não se peça opinião.
2. Há quanto tempo seu cabelo é natural?
Meu cabelo está natural há 5 meses e alguns dias.
3. O que te motivou a parar de alisar os cabelos? Como foi essa jornada? Quais estratégias ou penteados te ajudaram durante a transição?
Bom, Polly, meu cabelo começou a ser quimicamente tratado aos nove anos e eu estava cansada dessa escravidão. Decidi parar depois de sofrer vários cortes químicos. Comecei a perceber que as quedas que meu cabelo sofria não eram normais. Então, uma prima me falou sobre um salão maravilhoso que cuidava só de cabelos afros, mas que eu só poderia ir quando completasse três meses sem química no cabelo. Esperei o que tinha que esperar e fui ao tal salão e para chegar lá ia de caravana com um ônibus lotado de mulheres cacheadas e crespas rumo ao pote de ouro no fim do arco íris. Foi lá que fiz o meu primeiro BC e comecei o “tratamento” com outra química, achei estranho, mas como tinha ficado lindo, nem liguei. Com o tempo fui achando que era loucura ir tão longe pra cuidar dos cabelos, e acabei desanimando... Consegui um trampo em outra cidade, o que acabou me deixando mais longe ainda do tratamento. A cada dia e a cada mês sem ir ao salão, o meu cabelo ia ficando quebradiço e sem vida, do mesmo jeito que ficou quando estava usando as outras químicas.Bom, quando eu reparei que já não estava mais passando nada no cabelo me dei conta que já estava há sete meses em transição! Quando abri meu cabelo no meio, vi os cachinhos lindos e me apaixonei (*-*)! Fiquei com pena de estragar mais uma vez os meus tonhonhois. Voltei novamente para Angra e resolvi enfrentar o BC (Big Chop - corte radical) mais uma vez, só que agora sem químicas: fiz um corte bem radical, e no começo ODIEI, não era eu. (Quando cheguei em casa cortei todas as pontinhas lisas que ficaram, fiz isso umas 3 vezes depois do corte). Mas agora estou sem nenhuma química!
Fase em que alisava o cabelo com guanidina
 Com o tratamento do " salão milagroso"
Após alguns meses sem utilizar a química "milagrosa"
4. Como foi a aceitação de seus amigos e família?
No começo foi horrível, muitas críticas, desaprovação dos familiares, olhares tortos...Eu mesma tinha vergonha de sair e explicar o motivo da minha decisão, que, aliás,  ninguém nunca entende, não é mesmo? Mas meus amigos são incríveis: acham que mulher bonita é mulher natural e ponto, não podia ter mais força do que a deles. E eu tenho o melhor namorado do mundo, me apoiou bastante na decisão, enxugou todas as minhas lágrimas depois do corte, e é o que mais repara no progresso do meu tonhonhois.
Tassi e o seu fiel apoio, o namorado
5. Como você cuida dos seus cabelos atualmente?
Faço cronograma capilar(clique AQUI para conhecer mais) e amo hidratações caseiras, meu cabelo é tipo 4 e ama um óleo, e acho que como muitas meninas, aprendi a cuidar dos cabelos no grupo das Meninas Black Power(clique AQUI para mais informações) e com a Rosa do Blog "RosaNegraRosa". Tenho tentado variar os produtos, estou usando a máscara de macadâmia (amo da Yenzah!), LEAVE IN da Kera Max Cachos Perfeitos, óleo vegetal de coco ou o extraordinário da Elséve, e faço misturinhas com gel + óleo, LEAVE IN + óleo, LOC, gel de linhaça + óleo. (Não disse que ele adora um óleo? Rs) Ando descobrindo tanta coisa para cuidar dos meus cabelos que resolvi fazer um blog para dividir o que eu ando aprendendo com todo mundo! Ele ainda é baby, preciso aprender a separar um tempo para ele, mas aos pouco ele vai crescendo, quem quiser chegar lá o link é http://tassiioliveira.blogspot.com.br/
6. Como você descreve a textura do seu cabelo?
Ele é tipo 4a/4b! Sabe aquelas molinhas gostosas de mexer antes de dormir? Então!
7. Você acredita que o cabelo afro diz algo a respeito de sua identidade?
Com toda certeza, o meu cabelo representa a minha voz, representa a minha autoridade.Depois que decidi me conhecer, percebi que estava me escondendo do preconceito, tinha medo de não me acharem compatível, mas me lembrei a tempo que tenho personalidade e amor próprio.
8. Alguma dica ou mensagem para nossos leitores?
Meninas e meninos em transição, se aceitar é se amar! Se não estiverem empolgados com a
transição, fique bem pertinho das pessoas que te apoiam. Se puder grave no seu celular as palavras de força, elas são bem vindas a qualquer hora do dia. Se joga no cabelón!
Now Playing: Corinne Bailey Rae - Closer

You Might Also Like

8 comentários

  1. Que black lindo!! Super estilosa.
    Curti demais.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Adorei flor'
    - Parabéns pelo blog.
    Já estou participando do seu blog
    Cheirinho :*

    ResponderExcluir
  3. Aii adorei a entrevista!!! *-*
    E estou super apaixonada pelo blog Polly!!
    Visitarei sempre e sempre :)

    Beijão da Pretinha

    http://pretapretinhablog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

recent posts

Like us on Facebook

Popular Posts